Arquivo da categoria: Series

HeavyFashion no Tumblr!

Pois é, aderi a essa nova ferramenta. Mas o que é o Tumblr?

Uma breve historia:

O Tumblr (lê-se tâmbler) foi fundado em 2007 por David Karp juntamente e Marco Arment, como líder de desenvolvimento. 75.000 blogueiros que utilizavam outros sistemas logo mudaram para a plataforma, e desde então o serviço recebeu mais de 3 milhões de usuários.

Em 2009, adquiriu o aplicativo “Tumblerette” para iPhone, criado por Jeff Rock e Garrett Ross. Em 17 de março de 2010, foi anunciado que o site estaria acessível a partir de então em smarthphones BlackBerry através de um aplicativo criado por Mobelux. Em 17 de abril de 2010, o aplicativo foi disponibilizado no BlackBerry App World. E atualmente já existe disponível também o aplicativo para aparelhos com Android.

Em 18 de maio de 2011, o Tumblr contabilizava mais de 4.2 publicações e aproximadamente 19 milhões de blogs. No começo de junho de 2011 o visual da Dashboard ganhou várias novas funcionalidades e um novo design, como responder mensagens de modo particular (a resposta pode ser vista apenas pelo usuário que perguntou dentro de sua “Inbox”) e alguns painéis de configurações foram mudados de lugar para que se tornasse mais fácil e prático.

No dia 9 de setembro de 2011, o site alcançou a marca de 10 bilhões de posts exclusivos (sem contar reblogs), e a marca foi comemorada com uma chuva de confetes na Dashboard dos usuários que estavam conectados no momento.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tumblr
 

Traduzindo:

Para quem gosta de imagens (como euzinha aqui, meu computer fica lotado de imagens como se fosse um album de figurinhas!) e gosta de postar ou reblogar seu “ponto de vista” em todos os aspectos de forma fácil e sem rodeios, o Tumblr é tudo isso!

Então confiram o HeavyFashion no Tumblr! Muitas idéias passam por lá!

http://www.tumblr.com/blog/heavyfashion

Isso é HeavyFashion!

Etiquetado , , , , , , , , ,

Serie: The Pillars of The Earth – Os Pilares da Terra (2010)

Primeiramente, vamos às apresentações: The Pillars of the Earth é uma minissérie em 8 episódios adaptada do best-seller de mesmo nome escrito por Ken Follett e publicado pela primeira vez em 1989. Filmada na Hungria e na Áustria, a trama é cheia de ramificações, por vezes intrincada e, embora a história seja vendida como um romance sobre a Kingsbridge Cathedral, a primeira igreja gótica do Reino Unido, começa a ser construída, o plot principal envolve a história ficcional que narra 40 anos da vida dos personagens envolvidos na construção, que gerou crises religiosas e políticas, como golpes de Estado e a luta pelo poder numa época situada perto da metade do século XII, conhecida como A Anarquia.

A série começa justamente com os eventos que resultaram no início da Anarquia: o naufrágio sem sobreviventes da embarcação conhecida como White Ship, que levava a bordo William, o único filho homem do já em idade avançada rei Henrique I, logo, o sucessor ao trono da Inglaterra.

Matthew Macfadyen

Como nem a Igreja nem os lordes tinham qualquer interesse em ser governados por uma mulher – e além de William o rei tinha apenas mais uma filha, Matilda – após a morte de Henrique I, seu sobrinho Stephan (que, reza a lenda, só não morreu no naufrágio porque teve que sair correndo da embarcação antes que ela partisse, devido a uma diarréia violenta), reivindica o trono e acaba sendo coroado rei da Inglaterra.

A coroação de Stephan (Tony Curran, recentemente visto como Lugo Elson na última temporada de 24 Horas) dá início a uma guerra travada por Matilda (Alison Pill, a April de In Treatment) e alguns leais amigos de seu pai como o conde Bartolomeu (Donald Sutherland) pela retomada do trono.

De olho nas roupas, acessorios, joias, cabelos....temas épicos são muito bons!

A partir deste ponto somos introduzidos a um mundo de ambições políticas, eclesiásticas e sociais. Todas as boas e velhas histórias contadas em qualquer trama que retrate a Idade Média estão presentes na minissérie.

Temos Tom, O Construtor (Rufus Sewell, de Eleventh Hour) e sua família pobre, honrada e sofredora, que pena para sobreviver em tempos onde trabalho e comida andam escassos. Temos Waleran (Ian McShane, de Deadwood e Kings), o padre que ambiciona tornar-se bispo mais do que tudo no mundo e para isso usa e abusa de tudo e de todos que cruzarem seu caminho, sempre em nome de Deus. Temos Philip (Matthew Macfadyen, o Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito), o padre que jura que não é ambicioso, mas para salvar a sua paróquia acaba fazendo alianças com gente da laia de Waleran. Temos Ellen (vivida pela atriz alemã Natalia Wörner), a ex-noviça que foi quicada do convento porque carregava no ventre Jack (Eddie Redmayne, visto em The Other Boleyn Girl), o filho bastardo de um homem condenado.

Mas mesmo com todos os clichês históricos, Ken Follett conseguiu criar uma história interessante de se acompanhar, cheia de ligações, onde os caminhos de quase todos os personagens acabam se cruzando e resultando em tramas atraentes e condizentes com o caráter dos personagens.

Ah, e vale lembrar que a minissérie já tem uma espécie de continuação garantida. A adaptação de World Without End, considerado uma parte II da saga e que trata da história dos descendentes de alguns dos personagens principais de The Pillars of the Earth, 200 anos após os acontecimentos do primeiro livro, já foi encomendada pelo canal Starz. Terá 8 episódios também.

Fontes: http://www.apaixonadosporseries.com.br/series/primeiras-impressoes-the-pillars-of-the-earth/ e http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/tag/the-pillars-of-the-earth/

Em minha opinião o mais interessante da serie fora as roupas, os acessórios, os penteados, enfim, tudo que tem a ver com a moda épica… foi ver as dificuldades pelo qual passavam os construtores “arquitetos” na realização de seus grandes projetos, principalmente nas inovações, como a do teto abobadado, que após varias tentativas de construção e reforma, concluiu uma das mais criativas obras da arquitetura. E também uma curiosidade: como as plantas/projetos eram feitos. Atualmente após um esboço em papel o projeto é criado no AutoCAD/ SketchUp, entre outros softwares e depois vemos tudo em 3D. Na serie aparece ele riscando o projeto em algo que se assemelha a uma pedra devidamente preparada.

Vale a pena assistir!

Atualmente a serie pode ser vista no canal Band as terças-feiras.

Serie: Daniel Deronda (BBC 2002)

Capa do DVD

Direção: Tom Hooper Gênero: Drama | Histórico | Romance Elenco: Hugh Dancy, Romola Garai, Hugh Bonneville

Sinopse: Daniel Deronda é uma longa e complexa pintura da sociedade provinciana em uma era de nacionalismo emergente, da Reforma, que dá início a Era Vitoriana.

Hugh Dancy como Daniel Deronda

Daniel Deronda baseia-se no romance com o mesmo título da escritora George Eliot. Tem como pano de fundo a sociedade Vitoriana e é uma mistura de sátira social e procura moral.

Esta série da BBC está dividida em três episódios. Foi curioso encontrar duas atrizes que participaram em Emma – Romola Garai (Gwendolen Harleth) e Jodhi May (Mirah Lapidoth).

Digamos que esta série gira em torno de Daniel Deronda, Gwendolen e Mirah. Daniel Deronda é filho adotivo de Sir Hugo Mallinger, dizem até que é seu filho ilegítimo, no decorrer da história percebemos que não o é. Conhece Gwendolen num salão de Jogos, embora não se falem criam certa empatia que, enquanto assistimos, desejamos que se torne em algo mais e tudo aponta para aí.

Romola Garai como Gwendolen Harleth

Gwendolen é uma mulher espetacularmente bonita, inteligente e acima de tudo mimada e egoísta, para além de ser e parecer determinada e independente.

Acaba por se casar por conveniência com Mr. Grandcourt, dado que a sua família cai numa situação financeira muito difícil e Gwen vê-se confrontada a ser governanta numa outra família e por isso casa-se com Grandcourt a quem já recusara o pedido uma vez por ter conhecido a sua amante e os seus filhos ilegítimos.

Não sei como acontece no livro, mas no filme vemos que isso é um golpe fundo no coração de Deronda. Por esta altura, Deronda salva uma mulher (Mirah) no rio e leva-a para junto de uma família amiga. Esta mulher é judia e anda a procura da mãe e irmão, é possuidora de uma voz angelical, para além de um coração tão ou mais puro e bondoso que Daniel.

O casamento de Gwendolen torna-se num tormento, uma situação terrível de subordinação e prepotência. E ela mais do que ninguém se arrepende do seu desejo de ser rica independentemente do amor.

A história desenvolve-se em torno deste triângulo e no fim, Daniel acaba por ficar com uma delas, não digo qual. Isto porque, entretanto, Mr. Grandcourt morre acidentalmente num passeio de barco à vela e Gwen fica viúva.

Aborda também a questão dos judeus de forma incrível para a altura, creio eu. É um dos temas centrais da ação.

fonte: SONIASSRJ 

Mini-serie BBC – Norte e Sul – North and South

Na Inglaterra vitoriana, o sul campestre e aristocrático vai entrar em confronto com o norte industrial quando os Hales se vêm obrigados a mudar para a dura, fria e escura Milton. Margaret Hale, uma jovem da classe alta que procura, com relutância, deixar o idílico e pastoral mundo de Helstone e adaptar-se à nova vida numa cidade industrial do norte. Estranha aos costumes, regras e dramas sociais próprios de uma nova realidade, Margaret tem alguma dificuldade e compreender este mundo e aceitar os seus habitantes, especialmente os severos industriais, que governam as fábricas locais com mão de ferro. Mas o que começa como um mútuo desdém entre estas duas Inglaterras, norte e sul, vai transformar-se numa clássica história de amor entre Margaret e John Thornton, que irá superar todos os obstáculos e preconceitos.

Mais uma brilhante produção da BBC, eu ainda não terminei de ler o livro, mas pelo que pude perceber, eles foram até bem fieis a história. O mais legal de ter visto a serie antes, é que eu vou lendo e os personagens já estão montados no meu pensamento, dessa forma a historia parece mais viva na minha mente.

Não pude deixar de baixar a trilha sonora, pena que é uma gravação da serie literalmente, com as falas e tudo, poderia ter sido somente a melodia. (Essa é a minha unica reclamação da serie). Recomendadíssimo!

Capa:

Melhores Cenas:

Etiquetado