Arquivo mensal: janeiro 2012

Lista de desejos #1

Um sonho de inverno………………… .  .   .    .    .

Alexander Mcqueen na cabeça! ou no pescoço, na cintura...por ai vai

Como usar maxi-saias!

Olá! Vi essa matéria no Debora’s Weblog e curti bastante! Curta ai!

As saias longas são bem democráticas. Embora seja difícil criar um look cool com elas, se caprichar o resultado pode ser incrível, já que vários tipos de blusa ficam lindas combinadas com elas. Blusas de tricô, de renda, simples de algodão, larguinhas, camisas, jaquetas perfecto e jeans, paletó de alfaiataria, cashemere podem ser ótimas alternativas, vamos ver algumas imagens?

Só use casaco longo com maxi-skirt se você for alta e ainda assim, o resultado pode ser desastroso, careta e pesado. A combinação paletó boyfriend e saião para as baixinhas é terminantemente proibido. Isso vai achatá-la ainda mais.

Apesar da autora do post dizer que fica carregado demais, vai do gosto da pessoa e fisico também (muito importante!) ah, e depende do casaco também!

A renda voltou com tudo no inverno e no verão, fica ainda mais forte. Andei passando em algumas lojas de departamentos e em todas vi muitas blusas rendadas. Se a blusa não tiver forro, você pode combiná-la com uma regatinha colada, fica lindo.

Algumas ouras tendencias de inverno permanecem no verão. Um exemplo são as rendas. Mas prefiro utilizá-las sem mostrar tanto o corpo, fica mais bonito e menos vulgar.

Atenção aos saltos!

Fiquei olhando esses looks com blusas bem ajustadas ao corpo e achei a composição não muito elaborada. Depois de certa idade a gente fica querendo um visual mais adulto. Mas você pode usar, evidentemente, desde que não seja cheia de gordurinhas localizadas.

Dependendo da produção e do estilo da saia, as blusas mais larguinhas ficam melhores do que as justas

Blusa para fora é um bom truque para quem tem aquela barriguinha protuberante ou está um pouco acima do peso.

Blusa por fora, larguinha e com cinto marcando a cintura. Essa combinação pode ser uma alternativa para quem tem a barriguinha protuberante.

Saias soltinhas e blusas larguinhas, para as magrinhas é a combinação perfeita. Mas não se esqueça de deixar a cinturinha bem marcada, se não, fica meio desengonçado e além de te engordar. Por exemplo: aqui faltou um cinto para ficar rock 'n' roll.

Blusa larguinha deve ser a escolha das mais magrinhas, pois com ela, pode-se tentar criar um efeito corpo violão.

Combinar saias com camisa é elegante, clássico e uma opção mais adulta.

Camisas, desde as mais finas até as mais descoladas ficam ótimas com as saionas.

Repare como o nózinho deu uma graça ao look, deixando-o ainda mais descontraída. Só essa saia que poderia ser na cor preta!

Cardigans são coringas e todas as fashionistas amam, pois são básicos e vão bem quando dá aquela esfriadinha básica na primavera.

Bateu aquele friozinho? Aposte em cardigans. Para evitar uma produçao muito certinha, aposte nos acessórios e no calçado.

Coletes alongam, escondem gordurinhas e podem ficar lindos combinados com as saias longas.

Coletes muitas vezes ajudam a nos alongar, a nos deixar mais magras e acinturadas...além de ficarem ótimos com as saias longas.

Quer atribuir peso ao visual? Jaqueta perfecto é a solução.

Na dificuldade de achar coletes/jaquetas estilo heavy/rocker decentes acrescento aqui algumas idéias para usar com as maxi skirts!

Chegou o inverno? Claro que ainda dá para usar as maxi skirts!

Bom, é isso meninas, tentei trazer ao máximo o estilo das roupas para o estilo HeavyFashion, o restante é só por uma caveirinha aqui e acolá para continuarmos no nosso padrão!Bjs!

Seja HeavyFashion!


Decoração rápida!

Olá, como sempre trago mais e mais idéias viajando pela internet!!

Tema de hoje: Mudança nas paredes!

Mistura de tintas

 

Ponto cruz na parede!

 

Detalhes da pintura

 Vi no: http://www.casaredecorar.com
Imagens: http://www.79ideas.org/
 
Fico por aqui! Bjs! 

Utilizando vasos na decoração

Adoro a ideia de enfeitar a casa com vasos! Eles são ótimos para deixar aquele cantinho da casa com cara de decoração de revista! Verdade! O melhor é que você encontra dos mais diversos tamanhos, formatos e cores, com certeza um deles combina com seu gosto!
Vou mostrar alguns exemplos:

 
 
Vi no: http://www.casaredecorar.com
Imagens: Pinterest

Tudo vira arte!

Nessas andanças pela net juntei muitas idéias de como decorar o ambiente com pouco dinheiro e muita criatividade!

As cadeiras da cozinha estão velhas? Dê uma cara nova a elas usando retalhos!

Cozinha renovada

 

Decoração simples para quarto.

Patchwork na parede

E ai, esta sem fazer nada no fim de semana? Que tal dar uma repaginada na sala? Abaixo uma ideia de patchwork com papel de presente!

Patchwork de papel de presente

Tá com medo de aplicar patchwork na parede? então faça um teste em algum movel velho!

Patchwork até nos moveis!

Outra sugestão seria fazer um banner de tecido..

Banner de tecido

E a ultima ideia de hoje para organizar as bijus, de forma legal, criativa e decorativa, porque não?!

Organização

Até a proxima!

Isso é HeavyFashion!

Purple Bride

Quando procuramos no Google por decoração para casamento, nos deparamos com muitas idéias divertidas e legais, às vezes tão simples que podemos colocar em pratica. Ou vestidos com pequenos detalhes que fazem o glamour da noiva aumentar ainda mais…

Abaixo algumas dessas preciosidades que eu vi:

  
 

 
 
Vi no site: http://www.rocknrollbride.com

Serie: The Pillars of The Earth – Os Pilares da Terra (2010)

Primeiramente, vamos às apresentações: The Pillars of the Earth é uma minissérie em 8 episódios adaptada do best-seller de mesmo nome escrito por Ken Follett e publicado pela primeira vez em 1989. Filmada na Hungria e na Áustria, a trama é cheia de ramificações, por vezes intrincada e, embora a história seja vendida como um romance sobre a Kingsbridge Cathedral, a primeira igreja gótica do Reino Unido, começa a ser construída, o plot principal envolve a história ficcional que narra 40 anos da vida dos personagens envolvidos na construção, que gerou crises religiosas e políticas, como golpes de Estado e a luta pelo poder numa época situada perto da metade do século XII, conhecida como A Anarquia.

A série começa justamente com os eventos que resultaram no início da Anarquia: o naufrágio sem sobreviventes da embarcação conhecida como White Ship, que levava a bordo William, o único filho homem do já em idade avançada rei Henrique I, logo, o sucessor ao trono da Inglaterra.

Matthew Macfadyen

Como nem a Igreja nem os lordes tinham qualquer interesse em ser governados por uma mulher – e além de William o rei tinha apenas mais uma filha, Matilda – após a morte de Henrique I, seu sobrinho Stephan (que, reza a lenda, só não morreu no naufrágio porque teve que sair correndo da embarcação antes que ela partisse, devido a uma diarréia violenta), reivindica o trono e acaba sendo coroado rei da Inglaterra.

A coroação de Stephan (Tony Curran, recentemente visto como Lugo Elson na última temporada de 24 Horas) dá início a uma guerra travada por Matilda (Alison Pill, a April de In Treatment) e alguns leais amigos de seu pai como o conde Bartolomeu (Donald Sutherland) pela retomada do trono.

De olho nas roupas, acessorios, joias, cabelos....temas épicos são muito bons!

A partir deste ponto somos introduzidos a um mundo de ambições políticas, eclesiásticas e sociais. Todas as boas e velhas histórias contadas em qualquer trama que retrate a Idade Média estão presentes na minissérie.

Temos Tom, O Construtor (Rufus Sewell, de Eleventh Hour) e sua família pobre, honrada e sofredora, que pena para sobreviver em tempos onde trabalho e comida andam escassos. Temos Waleran (Ian McShane, de Deadwood e Kings), o padre que ambiciona tornar-se bispo mais do que tudo no mundo e para isso usa e abusa de tudo e de todos que cruzarem seu caminho, sempre em nome de Deus. Temos Philip (Matthew Macfadyen, o Mr. Darcy de Orgulho e Preconceito), o padre que jura que não é ambicioso, mas para salvar a sua paróquia acaba fazendo alianças com gente da laia de Waleran. Temos Ellen (vivida pela atriz alemã Natalia Wörner), a ex-noviça que foi quicada do convento porque carregava no ventre Jack (Eddie Redmayne, visto em The Other Boleyn Girl), o filho bastardo de um homem condenado.

Mas mesmo com todos os clichês históricos, Ken Follett conseguiu criar uma história interessante de se acompanhar, cheia de ligações, onde os caminhos de quase todos os personagens acabam se cruzando e resultando em tramas atraentes e condizentes com o caráter dos personagens.

Ah, e vale lembrar que a minissérie já tem uma espécie de continuação garantida. A adaptação de World Without End, considerado uma parte II da saga e que trata da história dos descendentes de alguns dos personagens principais de The Pillars of the Earth, 200 anos após os acontecimentos do primeiro livro, já foi encomendada pelo canal Starz. Terá 8 episódios também.

Fontes: http://www.apaixonadosporseries.com.br/series/primeiras-impressoes-the-pillars-of-the-earth/ e http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/tag/the-pillars-of-the-earth/

Em minha opinião o mais interessante da serie fora as roupas, os acessórios, os penteados, enfim, tudo que tem a ver com a moda épica… foi ver as dificuldades pelo qual passavam os construtores “arquitetos” na realização de seus grandes projetos, principalmente nas inovações, como a do teto abobadado, que após varias tentativas de construção e reforma, concluiu uma das mais criativas obras da arquitetura. E também uma curiosidade: como as plantas/projetos eram feitos. Atualmente após um esboço em papel o projeto é criado no AutoCAD/ SketchUp, entre outros softwares e depois vemos tudo em 3D. Na serie aparece ele riscando o projeto em algo que se assemelha a uma pedra devidamente preparada.

Vale a pena assistir!

Atualmente a serie pode ser vista no canal Band as terças-feiras.

Serie: Daniel Deronda (BBC 2002)

Capa do DVD

Direção: Tom Hooper Gênero: Drama | Histórico | Romance Elenco: Hugh Dancy, Romola Garai, Hugh Bonneville

Sinopse: Daniel Deronda é uma longa e complexa pintura da sociedade provinciana em uma era de nacionalismo emergente, da Reforma, que dá início a Era Vitoriana.

Hugh Dancy como Daniel Deronda

Daniel Deronda baseia-se no romance com o mesmo título da escritora George Eliot. Tem como pano de fundo a sociedade Vitoriana e é uma mistura de sátira social e procura moral.

Esta série da BBC está dividida em três episódios. Foi curioso encontrar duas atrizes que participaram em Emma – Romola Garai (Gwendolen Harleth) e Jodhi May (Mirah Lapidoth).

Digamos que esta série gira em torno de Daniel Deronda, Gwendolen e Mirah. Daniel Deronda é filho adotivo de Sir Hugo Mallinger, dizem até que é seu filho ilegítimo, no decorrer da história percebemos que não o é. Conhece Gwendolen num salão de Jogos, embora não se falem criam certa empatia que, enquanto assistimos, desejamos que se torne em algo mais e tudo aponta para aí.

Romola Garai como Gwendolen Harleth

Gwendolen é uma mulher espetacularmente bonita, inteligente e acima de tudo mimada e egoísta, para além de ser e parecer determinada e independente.

Acaba por se casar por conveniência com Mr. Grandcourt, dado que a sua família cai numa situação financeira muito difícil e Gwen vê-se confrontada a ser governanta numa outra família e por isso casa-se com Grandcourt a quem já recusara o pedido uma vez por ter conhecido a sua amante e os seus filhos ilegítimos.

Não sei como acontece no livro, mas no filme vemos que isso é um golpe fundo no coração de Deronda. Por esta altura, Deronda salva uma mulher (Mirah) no rio e leva-a para junto de uma família amiga. Esta mulher é judia e anda a procura da mãe e irmão, é possuidora de uma voz angelical, para além de um coração tão ou mais puro e bondoso que Daniel.

O casamento de Gwendolen torna-se num tormento, uma situação terrível de subordinação e prepotência. E ela mais do que ninguém se arrepende do seu desejo de ser rica independentemente do amor.

A história desenvolve-se em torno deste triângulo e no fim, Daniel acaba por ficar com uma delas, não digo qual. Isto porque, entretanto, Mr. Grandcourt morre acidentalmente num passeio de barco à vela e Gwen fica viúva.

Aborda também a questão dos judeus de forma incrível para a altura, creio eu. É um dos temas centrais da ação.

fonte: SONIASSRJ 

Moda Pin-Up

Pin-up é um termo para representação de mulheres voluptuosas, em lingeries sensuais, mas não muito reveladoras, cinta-liga, saltos altíssimos, cabelos com cachos glamorosos e batom vermelho. Tudo isso em uma aura de inocência num tom provocativo e instigante. A vulgaridade passa longe do estilo pin-up! Apesar de ter dados ligados ao surgimento das pin-ups desde 1890, foi na década de 1940 que elas fizeram grande sucesso e povoaram os sonhos e desejos dos homens da época. Tanto em desenhos como em fotos, as pin-ups esbanjavam sensualidade em posters que eram pregados nas paredes, daí o termo “pin-up”, que significa “ser pendurado”. Durante a Segunda Guerra Mundial, atrizes e cantoras famosas da época se vestiam de com peças íntimas e roupas provocantes estilo pin-up para alegrar e divertir os soldados americanos. Quando não visitavam quartéis, suas fotos eram item de coleção entre os jovens soldados, que guardavam várias fotos em seus armários. Várias atrizes famosas entraram pra história com seu look pin-up, entre elas Rita Hayworth (Gilda), Ava Gardner (Mogambo) e Marilyn Monroe (O pecado mora ao lado), que foi a grande representante do estilo. E nos desenhos, a eterna Betty Boop, que estampa vários produtos e é febre de consumo entre as brasileiras.

Fonte: http://www.estilopinup.com.br/site/

Como a moda vai e volta das antigas, tem se visto muito pela net fotos das vestimentas estilo pin-ups para uso em praticamente todas as ocasiões:

Tema de hoje: moda praia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além de todo glamour dos anos 50, os biquinis escondem aquelas gordurinhas extras da barriguinha!!

E aí, será que essa moda pega?!

Isso é HeavyFashion!